131 (2)

Nefrite Lúpica afeta rins e tem maior predominância entre mulheres

 

Uma das complicações mais graves do lúpus eritematoso sistêmico (LES), a nefrite lúpica é uma condição em que o sistema imunológico envolve os rins, especificamente as partes que filtram o sangue e ajudam o organismo a se livrar de toxinas. O lúpus é um distúrbio multifatorial em que o organismo cria anticorpos para combater o próprio organismo, produzindo autoanticorpos.

A nefrite lúpica pode ter um curso intermitente: episódios de agudização e períodos de remissão (diminuição temporária dos sintomas). “Um dos fatores importantes nesses pacientes é a detecção precoce de injúria renal. O exame do sedimento urinário, o cálculo do clerance renal;  bem como a dosagem de uréia e creatinina no sangue são ferramentas importante na avaliação da função renal”, destaca a reumatologista Isabella Lima, da Clínica SER da Bahia.

Sintomas – Os sintomas de nefrite lúpica são semelhantes aos de outras doenças renais e incluem edemas: “inchaços”, modificações no aspecto da urina, que pode tornar-se espumosa ou em menor volume; além de pressão alta. Embora a doença não tenha cura, seu tratamento é fundamental para controlar a doença e impedir que avance, já que nos casos mais graves pode evoluir com insuficiência renal e precisar de suporte dialítico e transplante.

O paciente deve diminuir a ingestão de proteínas e de sal, controlar a pressão arterial com medicação recomendada pelo médico, usar esteroides, receitados pelo médico, para reduzir o inchaço e a inflamação, além de medicação para suprimir o sistema imunológico. Como toda doença autoimune, é fundamental melhorar a alimentação e qualidade de vida, incluir uma dieta equilibrada e exercícios físicos na rotina do paciente que deverá seguir as recomendações médicas.

 Veja novidades e informações pelo nosso Instagram e Facebook.