157

É com prazer que nosso diretor técnico, Dr. Mittermayer Barreto Santiago, vai bater um papo sobre artrite reumatoide e outras doenças reumatológicas, neste domingo (21), às 8h, no Dique do Tororó. Quer saber mais sobre a doença, seus sintomas, como o diagnóstico acontece e quais os tratamentos disponíveis? Esperamos vocês para ter uma manhã com bastante informação, fazer uma caminhada agradável e aproveitar para fazer exames. Nosso evento é gratuito e aberto a todos! Faça sua inscrição no LINK e participe!

PROGRAMAÇÃO:
07:00h – Entrega de kit
07:30h – Caminhada no Dique do Tororó
08:00h – Alongamento e relaxamento com a educadora física Maiara Eckstein
08:15h – Mensagem de abertura e boas vindas aos participantes e palestra sobre artrite reumatoide com o reumatologista Mittermayer Barreto Santiago
09:00h – 1ª Reunião da Associação Baiana de Reumáticos, Afiliados, Colaboradores e Entusiastas (ABRACE)
10:30h – Palestra: “Artrite, Lúpus, Psoríase, Fibromialgia – O que posso fazer para melhorar minha qualidade de vida?” com a reumatologista Ana Luísa Pedreira
11:00h – Palestra: “Como a alimentação pode melhorar os sintomas do reumatismo”
11:30h – Palestra: “Dicas de como diminuir a dor” com a médica da dor Neide Scaldaferri
12:30h – Palestra: “Depressão, ansiedade e as doenças reumatológicas” com a psicóloga Silvia Cal
08:00 às 13:00h – Medição de pressão arterial, massoterapia e exames oftalmológicos.
13:00h – Encerramento das atividades

SERVIÇO:
Local: Dique do Tororó sentido Estação da Lapa (próximo à Cheiro de Pizza)
Data: 21 de outubro de 2018 (domingo)
Horário: Das 07:00 às 13:00 horas

SER e Jansen

AÇÃO DE CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE ARTRITE REUMATOIDE E DOENÇAS REUMATOLÓGICAS

Ação gratuita contará com palestras, exames e caminhada no Dique do Tororó

A Ação de Conscientização sobre Artrite Reumatoide e Doenças Reumatológicas é gratuita e vai acontecer neste domingo (21), das 7h às 13h, no Dique do Tororó, em Salvador-BA, para comemora o mês de conscientização sobre artrite reumatoide (AR), com o objetivo de informar e conscientizar a população sobre a doença, seus sintomas, diagnóstico e tratamentos. A artrite pode levar a vários graus de incapacidade e tem um profundo impacto sobre os aspectos sociais, econômicos e psicológicos da vida do paciente. A ação, organizada pela clínica de reumatologia SER da Bahia e Janssen-Cilag Farmacêutica, vai contar com uma série de palestras, exames médicos,a 1ª Reunião da Associação Baiana de Reumáticos, Afiliados, Colaboradores e Entusiastas (ABRACE) , caminhada no Dique e alongamento. As inscrições devem ser feitas pelo Link

“Queríamos chamar a atenção da população para a artrite reumatoide e outras doenças reumatológicas, como o lúpus, pela gravidade e pelo desconhecimento sobre elas. Além disso, em outubro são comemoradas quatro datas importantes para a área: o Dia Mundial de Conscientização da Artrite Reumatoide (12), o Dia Mundial e Nacional da Osteoporose (20), o Dia Nacional e Mundial da Psoríase (29) e Dia Nacional de Luta contra o Reumatismo, no dia 30.”, comenta Dr. Mittermayer Barreto Santiago, diretor técnico da clínica SER da Bahia, chefe dos Serviços de Reumatologia do Hospital Santa Izabel (HSI) e do Hospital Universitário Prof. Edgar Santos (HUPES).

Sobre a artrite reumatoide e outras doenças reumatológicas – A artrite reumatoide (AR) é uma doença inflamatória crônica que pode afetar várias articulações. Os principais sintomas são dor nas articulações dos dedos das mãos, pés, joelhos, tornozelos, cotovelos e ombros, dor na região do quadril, inchaço e aumento da temperatura nas articulações, dificuldade para mexer as articulações no período da manhã, fadiga, e eventualmente nódulos reumatoides, inflamação ocular, envolvimento pulmonar e de glândulas lacrimais e salivares. Os períodos de crises podem ser alternados com momentos em que o inchaço e a dor das articulações desaparecem ou ficam menos frequentes. A AR é uma das doenças em que as opções terapêuticas mais avançaram nos últimos 15 anos. É importante procurar ajuda médica especializada assim que os sintomas começarem a se manifestar para que a qualidade de vida do paciente seja recuperada com o tratamento.

PROGRAMAÇÃO:
07:00h – Entrega das camisas para os 100 primeiros inscritos no evento*
07:30h – Caminhada no Dique do Tororó
08:00h – Alongamento e relaxamento com a educadora física Maiara Eckstein
08:15h – Mensagem de abertura e boas vindas aos participantes e palestra sobre artrite reumatoide com o reumatologista Mittermayer Barreto Santiago
09:00h – 1ª Reunião da Associação Baiana de Reumáticos, Afiliados, Colaboradores e Entusiastas (ABRACE)
10:30h – Palestra: “Artrite, Lúpus, Psoríase, Fibromialgia – O que posso fazer para melhorar minha qualidade de vida?” com a reumatologista Ana Luísa Pedreira
11:00h – Palestra: “Como a alimentação pode melhorar os sintomas do reumatismo”
11:30h – Palestra: “Dicas de como diminuir a dor” com a médica da dor Neide Scaldaferri
12:30h – Palestra: “Depressão, ansiedade e as doenças reumatológicas” com a psicóloga Silvia Cal
08:00 às 13:00h – Medição de pressão arterial, massoterapia e exames oftalmológicos.
13:00h – Encerramento das atividades

SERVIÇO:
Local: Dique do Tororó sentido Estação da Lapa (próximo à Cheiro de Pizza)
Data: 21 de outubro de 2018 (domingo)
Horário: Das 07:00 às 13:00 horas

artrite

Artrite reumatoide aumenta as chances de doenças cardiovasculares

12 de outubro é Dia Mundial de Conscientização da Artrite Reumatoide

A artrite reumatoide (AR) é uma doença inflamatória crônica que pode afetar várias articulações. Os principais sintomas da artrite são dor nas articulações dos dedos das mãos, pés, joelhos, tornozelos, cotovelos e ombros, dor na região do quadril, inchaço e aumento da temperatura nas articulações, rigidez matinal (dificuldade para mexer as articulações no período da manhã), fadiga, e eventualmente nódulos reumatoides, inflamação ocular, envolvimento pulmonar e de glândulas lacrimais e salivares, q caracteriza a Síndrome de Sjogren secundária. Os períodos de crises podem ser alternados com momentos em que o inchaço e a dor das articulações desaparecem ou ficam menos frequentes. A AR pode levar a vários graus de incapacidade e tem um profundo impacto sobre os aspectos sociais, econômicos e psicológicos da vida do paciente.

AR e doenças do coração – Além disso, a artrite reumatoide é considerada um fator de risco para doenças cardiovasculares, pois estimula um processo inflamatório crônico, favorecendo os quadros de aterosclerose (formação de placas na parede dos vasos, podendo levar à sua obstrução) e endurece as artérias aumentando a probabilidade do paciente sofrer um infarto ou derrame. O risco de infarto em pacientes com artrite reumatoide é semelhante ao dos pacientes com diabetes e, segundo algumas pesquisas, mulheres com AR tem seis vezes mais chances de ter um ataque cardíaco. Enquanto os diabéticos já sabem que a doença é um fator de risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares e monitoram sua saúde cardíaca, os que sofrem com artrite não sabem dos riscos e cuidam menos do coração. Mesmo que o paciente não tenha histórico de doenças cardiovasculares e evite outros fatores de risco (sobrepeso, fumo, etc) é importante fazer um acompanhamento com um cardiologista.

Fatores de risco – De acordo com pesquisa feita pela Sociedade Brasileira de Reumatologia a artrite atinge cerca de 1% da população mundial, afetando duas vezes mais mulheres, na faixa dos 30 a 50 anos, que homens, porém também pode afetar crianças, passando a se chamar artrite idiopática juvenil. Não se sabe ao certo as causas da artrite, porém acredita-se que o fator genético, juntamente com fatores externos, como infecções por vírus e bactérias, aumente sua chance de surgimento. Outro fator de risco é o cigarro, que estimula os processos inflamatórios, e pode se tornar um gatilho para o desencadeamento da artrite, agravando o quadro dos pacientes.

Boa notícia – A AR é uma das doenças em que as opções terapêuticas mais avançaram nos últimos 15 anos. É importante procurar ajuda médica especializada assim que os sintomas começarem a se manifestar para que a qualidade de vida do paciente seja recuperada com o tratamento e que ele não seja levado à incapacidade física, em casos graves.

Dra. Isabella Lima é reumatologista, Doutora pela Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, professora adjunta da Faculdade de Medicina da Universidade Federal da Bahia e preceptora do programa de Residência em Reumatologia do HUPES.

febre-amarela

Orientações finais – Vacinação Contra a Febre Amarela

A Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR), em parceria com a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) e a Sociedade Brasileira de Medicina Tropical (SBMT), com o intuito de orientar seus associados e a comunidade médica em geral, recomenda a Nota Técnica Conjunta abaixo sobre vacinação para a Febre Amarela (VFA) em pacientes com Doenças Reumáticas Imunomediadas (DRIM). Confira no link: Orientações Finais – Vacinação Contra Febre Amarela

FAN

O exame FAN veio positivo. Tenho reumatismo?

 

Primeiramente, vamos esclarecer o que isso significa. O FAN é a abreviatura de Fator Antinuclear e é um exame laboratorial utilizado para checar se existe ou não este tipo de anticorpo no sangue. Se seu exame FAN deu positivo não necessariamente você tem algum tipo de reumatismo, esse resultado só revela que existem esses anticorpos em seu sangue. O FAN é um conjunto de anticorpos que atacam diferentes estruturas das células e que estão associados a doenças autoimune diferentes. Assim, o mesmo anticorpo antinuclear que está presente em quem tem Lúpus é diferente daquele de quem tem Síndrome de Sjögren, etc.

Os anticorpos antinucleares podem aparecer em pessoas saudáveis ou naquelas que sofrem de doenças autoimunes diversas, infecciosas, neoplasias e doenças inflamatórias crônicas. Cerca de 15% da população saudável pode apresentar FAN reagente em valores baixos e não apresentam problemas de saúde. Ou seja, se o FAN der positivo, só o reumatologista vai poder interpretar essa informação em conjunto com o quadro clínico e determinar um diagnóstico. A simples presença de um FAN positivo não é suficiente para o diagnóstico de nenhuma doença. O exame deve ser solicitado e interpretado em um contexto clínico que justifique. O FAN deve ser solicitado para auxiliar ou comprovar um diagnóstico, que deve ser embasado, sobretudo, em um quadro clínico específico.

O exame FAN pode ajudar a diagnosticar doenças autoimunes como:

  • Lúpus;
  • Artrite reumatoide;
  • Artrite idiopática juvenil;
  • Hepatite autoimune;
  • Esclerodermia;
  • Dermatomiosite;
  • Síndrome de Sjögren, etc.