SER e Jansen

AÇÃO DE CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE ARTRITE REUMATOIDE E DOENÇAS REUMATOLÓGICAS

Ação gratuita contará com palestras, exames e caminhada no Dique do Tororó

A Ação de Conscientização sobre Artrite Reumatoide e Doenças Reumatológicas é gratuita e vai acontecer neste domingo (21), das 7h às 13h, no Dique do Tororó, em Salvador-BA, para comemora o mês de conscientização sobre artrite reumatoide (AR), com o objetivo de informar e conscientizar a população sobre a doença, seus sintomas, diagnóstico e tratamentos. A artrite pode levar a vários graus de incapacidade e tem um profundo impacto sobre os aspectos sociais, econômicos e psicológicos da vida do paciente. A ação, organizada pela clínica de reumatologia SER da Bahia e Janssen-Cilag Farmacêutica, vai contar com uma série de palestras, exames médicos,a 1ª Reunião da Associação Baiana de Reumáticos, Afiliados, Colaboradores e Entusiastas (ABRACE) , caminhada no Dique e alongamento. As inscrições devem ser feitas pelo Link

“Queríamos chamar a atenção da população para a artrite reumatoide e outras doenças reumatológicas, como o lúpus, pela gravidade e pelo desconhecimento sobre elas. Além disso, em outubro são comemoradas quatro datas importantes para a área: o Dia Mundial de Conscientização da Artrite Reumatoide (12), o Dia Mundial e Nacional da Osteoporose (20), o Dia Nacional e Mundial da Psoríase (29) e Dia Nacional de Luta contra o Reumatismo, no dia 30.”, comenta Dr. Mittermayer Barreto Santiago, diretor técnico da clínica SER da Bahia, chefe dos Serviços de Reumatologia do Hospital Santa Izabel (HSI) e do Hospital Universitário Prof. Edgar Santos (HUPES).

Sobre a artrite reumatoide e outras doenças reumatológicas – A artrite reumatoide (AR) é uma doença inflamatória crônica que pode afetar várias articulações. Os principais sintomas são dor nas articulações dos dedos das mãos, pés, joelhos, tornozelos, cotovelos e ombros, dor na região do quadril, inchaço e aumento da temperatura nas articulações, dificuldade para mexer as articulações no período da manhã, fadiga, e eventualmente nódulos reumatoides, inflamação ocular, envolvimento pulmonar e de glândulas lacrimais e salivares. Os períodos de crises podem ser alternados com momentos em que o inchaço e a dor das articulações desaparecem ou ficam menos frequentes. A AR é uma das doenças em que as opções terapêuticas mais avançaram nos últimos 15 anos. É importante procurar ajuda médica especializada assim que os sintomas começarem a se manifestar para que a qualidade de vida do paciente seja recuperada com o tratamento.

PROGRAMAÇÃO:
07:00h – Entrega das camisas para os 100 primeiros inscritos no evento*
07:30h – Caminhada no Dique do Tororó
08:00h – Alongamento e relaxamento com a educadora física Maiara Eckstein
08:15h – Mensagem de abertura e boas vindas aos participantes e palestra sobre artrite reumatoide com o reumatologista Mittermayer Barreto Santiago
09:00h – 1ª Reunião da Associação Baiana de Reumáticos, Afiliados, Colaboradores e Entusiastas (ABRACE)
10:30h – Palestra: “Artrite, Lúpus, Psoríase, Fibromialgia – O que posso fazer para melhorar minha qualidade de vida?” com a reumatologista Ana Luísa Pedreira
11:00h – Palestra: “Como a alimentação pode melhorar os sintomas do reumatismo”
11:30h – Palestra: “Dicas de como diminuir a dor” com a médica da dor Neide Scaldaferri
12:30h – Palestra: “Depressão, ansiedade e as doenças reumatológicas” com a psicóloga Silvia Cal
08:00 às 13:00h – Medição de pressão arterial, massoterapia e exames oftalmológicos.
13:00h – Encerramento das atividades

SERVIÇO:
Local: Dique do Tororó sentido Estação da Lapa (próximo à Cheiro de Pizza)
Data: 21 de outubro de 2018 (domingo)
Horário: Das 07:00 às 13:00 horas

artrite

Artrite reumatoide aumenta as chances de doenças cardiovasculares

12 de outubro é Dia Mundial de Conscientização da Artrite Reumatoide

A artrite reumatoide (AR) é uma doença inflamatória crônica que pode afetar várias articulações. Os principais sintomas da artrite são dor nas articulações dos dedos das mãos, pés, joelhos, tornozelos, cotovelos e ombros, dor na região do quadril, inchaço e aumento da temperatura nas articulações, rigidez matinal (dificuldade para mexer as articulações no período da manhã), fadiga, e eventualmente nódulos reumatoides, inflamação ocular, envolvimento pulmonar e de glândulas lacrimais e salivares, q caracteriza a Síndrome de Sjogren secundária. Os períodos de crises podem ser alternados com momentos em que o inchaço e a dor das articulações desaparecem ou ficam menos frequentes. A AR pode levar a vários graus de incapacidade e tem um profundo impacto sobre os aspectos sociais, econômicos e psicológicos da vida do paciente.

AR e doenças do coração – Além disso, a artrite reumatoide é considerada um fator de risco para doenças cardiovasculares, pois estimula um processo inflamatório crônico, favorecendo os quadros de aterosclerose (formação de placas na parede dos vasos, podendo levar à sua obstrução) e endurece as artérias aumentando a probabilidade do paciente sofrer um infarto ou derrame. O risco de infarto em pacientes com artrite reumatoide é semelhante ao dos pacientes com diabetes e, segundo algumas pesquisas, mulheres com AR tem seis vezes mais chances de ter um ataque cardíaco. Enquanto os diabéticos já sabem que a doença é um fator de risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares e monitoram sua saúde cardíaca, os que sofrem com artrite não sabem dos riscos e cuidam menos do coração. Mesmo que o paciente não tenha histórico de doenças cardiovasculares e evite outros fatores de risco (sobrepeso, fumo, etc) é importante fazer um acompanhamento com um cardiologista.

Fatores de risco – De acordo com pesquisa feita pela Sociedade Brasileira de Reumatologia a artrite atinge cerca de 1% da população mundial, afetando duas vezes mais mulheres, na faixa dos 30 a 50 anos, que homens, porém também pode afetar crianças, passando a se chamar artrite idiopática juvenil. Não se sabe ao certo as causas da artrite, porém acredita-se que o fator genético, juntamente com fatores externos, como infecções por vírus e bactérias, aumente sua chance de surgimento. Outro fator de risco é o cigarro, que estimula os processos inflamatórios, e pode se tornar um gatilho para o desencadeamento da artrite, agravando o quadro dos pacientes.

Boa notícia – A AR é uma das doenças em que as opções terapêuticas mais avançaram nos últimos 15 anos. É importante procurar ajuda médica especializada assim que os sintomas começarem a se manifestar para que a qualidade de vida do paciente seja recuperada com o tratamento e que ele não seja levado à incapacidade física, em casos graves.

Dra. Isabella Lima é reumatologista, Doutora pela Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, professora adjunta da Faculdade de Medicina da Universidade Federal da Bahia e preceptora do programa de Residência em Reumatologia do HUPES.

131 (2)

Nefrite Lúpica afeta rins e tem maior predominância entre mulheres

 

Uma das complicações mais graves do lúpus eritematoso sistêmico (LES), a nefrite lúpica é uma condição em que o sistema imunológico envolve os rins, especificamente as partes que filtram o sangue e ajudam o organismo a se livrar de toxinas. O lúpus é um distúrbio multifatorial em que o organismo cria anticorpos para combater o próprio organismo, produzindo autoanticorpos.

A nefrite lúpica pode ter um curso intermitente: episódios de agudização e períodos de remissão (diminuição temporária dos sintomas). “Um dos fatores importantes nesses pacientes é a detecção precoce de injúria renal. O exame do sedimento urinário, o cálculo do clerance renal;  bem como a dosagem de uréia e creatinina no sangue são ferramentas importante na avaliação da função renal”, destaca a reumatologista Isabella Lima, da Clínica SER da Bahia.

Sintomas – Os sintomas de nefrite lúpica são semelhantes aos de outras doenças renais e incluem edemas: “inchaços”, modificações no aspecto da urina, que pode tornar-se espumosa ou em menor volume; além de pressão alta. Embora a doença não tenha cura, seu tratamento é fundamental para controlar a doença e impedir que avance, já que nos casos mais graves pode evoluir com insuficiência renal e precisar de suporte dialítico e transplante.

O paciente deve diminuir a ingestão de proteínas e de sal, controlar a pressão arterial com medicação recomendada pelo médico, usar esteroides, receitados pelo médico, para reduzir o inchaço e a inflamação, além de medicação para suprimir o sistema imunológico. Como toda doença autoimune, é fundamental melhorar a alimentação e qualidade de vida, incluir uma dieta equilibrada e exercícios físicos na rotina do paciente que deverá seguir as recomendações médicas.

 Veja novidades e informações pelo nosso Instagram e Facebook.

 

Doença-De-Behçet

Doença de Behçet – O que é, quais os sintomas e tratamentos

 

 

 

 

Chamada de Síndrome ou Doença de Behçet, a enfermidade se caracteriza como vasculite, ou seja, uma inflamação dos vasos sanguíneos, que atinge mucosas, pele e órgãos internos e que ainda tem sua causa não completamente explicada pela ciência. Seus principais sintomas são aftas e úlceras genitais, que aparecem de forma recorrente. Além disso, pode atacar olhos, articulações e sistema nervoso. Os sintomas da Síndrome de Behçet geralmente surgem em homens e mulheres, entre os 20 e 40 anos de idade, porém homens jovens de origem asiática apresentam manifestações mais graves da doença.

 

A doença tem cunho genético e fatores ambientais como infecções podem ajudar a desencadeá-la. Não existem exames que possam diagnosticar a doença, o médico deve interpretar os sintomas e o histórico de saúde do paciente e então, depois de excluir outras possibilidades, fazer o diagnóstico. Para ter um diagnóstico mais acertado, o reumatologista pode contar com o auxílio de outras especialistas como o oftalmologista.

 

Sintomas – Os sintomas da Doença de Behçet são recorrentes, ou seja, melhoram com o tratamento, mas voltam a aparecer. Um dos sintomas mais comuns são as aftas dolorosas, que, em geral, surgem muito antes de se ter um diagnóstico. Elas podem surgir em qualquer parte da cavidade oral, variam em número e tamanho e duram mais de uma semana, mas não deixam cicatriz. Essas aftas podem estar associadas (ou não) a úlceras genitais, lesões de pele, dores articulares, inflamação no olho, alterações neurológicas, intestinais, inflamação e trombose nas veias e formação de aneurismas em diferentes artérias.

Olhos: Diferentes partes do olho podem ser inflamadas em pacientes com doença de Behçet e os termos médicos para essa inflamação são conhecidos por uveíte, vasculite na retina e vitreíte. Essas inflamações, se não tratadas, podem levar à cegueira, por isso a necessidade do acompanhamento regular com oftalmologista.

Cérebro: Quando atinge o cérebro a doença pode causar sintomas como dor de cabeça forte, que não melhora com analgésicos, até sintomas parecidos com os de um derrame cerebral e dificuldades de memória e raciocínio. É importante observar esses sintomas e falar para o seu médico.

Intestino: Quando a doença atinge essa parte do corpo, os sintomas são dor na barriga tipo cólica, diarreia e sangue nas fezes.

Vasos sanguíneos: A inflamação nos vasos sanguíneos pode levar a tromboses nas veias de qualquer parte do corpo, seja nas pernas, no abdome ou no interior do crânio.

 

Tratamento – O tratamento da doença de Behçet depende das queixas do paciente e dos órgãos afetados. Como os sintomas podem ser interpretadaos como sendo de outras doenças, é importante que o paciente converse com seu médico e não se automedique. As aftas podem ser tratadas com anestésicos e corticosteróides tópicos, além de antissépticos bucais. Agentes imunossupressores como azatioprina, ciclofosfamida, ciclosporina e metotrexate são reservados para manifestações graves como a inflamação do olho, as manifestações neurológicas ou vasculares. Dependendo da resposta de cada paciente també podem ser usados medicamentos imunobiológicos, especialmente com agentes anti-TNFα.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Psoríase: Como a doença impacta na qualidade de vida dos pacientes?

 

A psoríase, doença autoimune marcada pela formação de placas na pele, descamação, sensação de queimação, coceira e dor, afeta o bem-estar de quem convive com ela, sejam pelos prejuízos na qualidade de vida ou pela ansiedade e sentimentos depressivos que acomete os portadores da doença.

Estigmatizada, por falta de conhecimento, muitos acreditam que se trata de algo transmissível e quem tem a enfermidade acaba escondendo o corpo para evitar situações constrangedoras. Desta forma, além do tratamento propriamente dito, dos sintomas, em geral, é proposto um acompanhamento psicológico que pode ajudar a pessoa a encarar melhor tais situações e enfrentar as questões emocionais.

Pesquisa realizada no ano passado no Brasil identificou entre os pacientes o impacto da doença em suas vidas. Entre aqueles ouvidos, 63,7% disseram sentir algum impacto na sua qualidade de vida; 63,1% relataram sentirem dor ou desconforto. Outros 45,1% disseram sofrer com dores nas articulações e 54,1% reclama de ansiedade ou sintomas depressivos, sendo que 9,9% possuem depressão severa.

É fundamental o tratamento adequando, que ameniza os sintomas e a busca de orientação sobre os hábitos que devem ser adotados para que se tenha uma vida de maior qualidade portando esta condição. Há fatores como o sol, atividade física e alimentação que ajuda o tratamento tópico.

Tem dúvidas sobre psoríase? Mande sua pergunta pelos comentários ou através do nosso Instagram @clinicarserdabahia que vamos tentar esclarecê-la!