BLOG

febre-amarela
A Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR), em parceria com a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) e a Sociedade Brasileira de Medicina Tropical (SBMT), com o intuito de orientar seus associados e a comunidade médica em geral, recomenda a Nota Técnica Conjunta abaixo sobre vacinação para a Febre Amarela (VFA) em pacientes com Doenças Reumáticas Imunomediadas (DRIM). Confira no link: Orientações Finais – Vacinação Contra Febre Amarela
Mulher-negra-grávida
Por Dra. Isabella Lima Essa é a dúvida de muitas mulheres e cada caso deve ser avaliado separadamente, já que a gravidez em pacientes com Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES) depende de algumas variáveis. Vale ressaltar que sim, é possível, mas uma reposta mais acertada vai depender de uma análise por parte do reumatologista, pois é uma gravidez que requer cuidados especiais, portanto deve ser planejada. Em geral, a doença por si só não é uma contra
FAN
  Primeiramente, vamos esclarecer o que isso significa. O FAN é a abreviatura de Fator Antinuclear e é um exame laboratorial utilizado para checar se existe ou não este tipo de anticorpo no sangue. Se seu exame FAN deu positivo não necessariamente você tem algum tipo de reumatismo, esse resultado só revela que existem esses anticorpos em seu sangue. O FAN é um conjunto de anticorpos que atacam diferentes estruturas das células e que estão associados
Sem título1
Nosso diretor técnico, Dr. Mittermayer Barreto Santiago, deu entrevista para a Revista NB Plus sobre doenças reumatológicas autoimunes. Confira a matéria completa no link da revista.
vacinacao-1
  Em Nota Técnica Conjunta a Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR), em parceria com a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) e a Sociedade Brasileira de Medicina Tropical (SBMT), com orientam que a vacinação para a Febre Amarela (VFA) em pacientes com  Doenças Reumáticas Imunomediadas (DRIM) seja feita da seguinte maneira: – No caso de pacientes com DRIM, torna-se fundamental a avaliação cuidadosa  da relação  risco/benefício da vacinação. De um lado,